12 de agosto de 2016

Verão 2016 # Em vésperas de fim de semana XL

Este verão está a ser quente, intenso e simultaneamente doce. Hoje é véspera de fim de semana prolongado e surge um ligeiro sabor a férias, já que o período maior está para vir, mas só no mês 9. Por isso, apetece-me colocar aqui algumas fotos deste verão que estão no nosso instagram.




A palavra de ordem para nós é aproveitar os próximos dias, sem grandes planos, e deixar fluir. Esquecer horários e fazer com que as horas pareçam não ter fim. Brincar muito, que o H. anda a aproveitar estes dias ao máximo, mas também dar muitos beijos e abraços aos meus homens. 

O H. ainda não sabe ler (estará para breve essa etapa) e pede-nos, sobretudo ao fim de semana, que leiamos por/ para ele. Ficou muito curioso com um livro que lhe ofereceram, O Pequeno Gigante, de Roald Dahl, que já esteve no cinema, mas como tem mais texto do que imagens o que é que aconteceu? Estou eu a lê-lo. :D E a gostar bastante, diga-se! A escrita é fluída, a ação rápida e ficamos presos, página a página. Adoro certas expressões do Pequeno Gigante. No final - estou quase lá - vou recontar a história ao mais pequeno lá de casa e arrancar-lhe algumas gargalhadas.



O livro, que chegou a Portugal em novembro de 2015 (mas foi escrito em 1982), foi agora reeditado com uma capa alusiva ao filme. Espero que o filme, realizado por Steven Spielberg, esteja disponível em DVD por altura do Natal, que será um presente bem giro!

Enquanto isso, leiam o livro como eu e surpreendam-se com o GGG, o Grande Gigante Gentil, que, ao contrário dos restantes gigantes, como o Suga-Sangue e o Traga-Nacos, recusa-se a comer "cereais humanos" (leia-se: pessoas). Este "Pequeno Gigante" cruzou-se com Sofia e juntos embarcam numa aventura - que não vos vou contar porque não sou spoiler - que junta dois mundos, o nosso e o País dos Gigantes.  A amizade que nasce entre as duas personagens principais é enternecedora e preparem-se para rir muito com as falas do "Pequeno Gigante", que tem (muitos) momentos de (não me levem a mal e sem ofensas a ninguém) de Jorge Jesus (sobretudo quando estava no Benfica). "As palavras saírem-me entortinhadas", diz o "Pequeno Gigante". 

Este foi o livro mais giro que entrou lá em casa este ano! Está à venda na Fnac e na Wook.

Bom fim de semana XL!


Da Nossa Cozinha




8 de agosto de 2016

Comida caseira com sabor a infância # Carne guisada com massa tricolor

Este fim de semana tive de preparar um jantar rápido e apeteceu-me os sabores da minha mãe. Lembrei-me da sua carne guisada com massa feita num ápice na panela de pressão. E eu, que não como este prato há anos, já que a "fase da carne de vaca" passou-me há muito, deliciei-me, a verdade é essa, com a carne a desfazer-se na boca...

Fica aqui a receita para quem quiser dar uso à panela de pressão (de outro modo é perfeitamente viável, demora é mais tempo) e provar os meus sabores de infância. Digamos que é comida vintage... ;)





Carne guisada com massa tricolor

Ingredientes:

450 g de carne de vaca cortada em pedaços descongelada
1 cebola 
2 dentes de alho
1 tomate grande maduro
Vinho branco q.b.
Água q.b.
Azeite q.b.
Salsa q.b.
Sal q.b.
Massa à vossa escolha q.b.

[Peço desculpa por não indicar as quantidades, mas foi a olho, como se costuma dizer]

Preparação:

Colocar em lume médio-alto na panela de pressão destapada a cebola e os alhos, tudo bem picado, com azeite até alourar. Ir mexendo de vez em quando. Depois adicionar o tomate, sem pele, em cubos e deixar refogar mais um pouco. Adicionar um pouco de azeite, se for necessário.

Depois juntar a carne, um molho pequeno de sala enrolado, vinho branco e água (deve estar tudo coberto e ter pelo menos 3 dedos de líquido) e temperar com sal. Depois tapar a panela de pressão e contabilizar 10 minutos a partir do momento que se ouve o assobiar característico. Ao fim deste tempo, retirar do lume e, com a panela fechada, deixar sair o ar, com cuidado. Atenção: Só abrir a panela depois de todo o ar sair.

Mexer e juntar a massa, eventualmente mais água (no meu caso não foi necessário) e retificar o tempero. Fechar novamente a panela de pressão, colocá-la novamente em lume médio-alto e contabilizar 6 minutos após o som. Repetir os cuidados anteriores: Ao fim deste tempo, retirar do lume e, com a panela fechada, deixar sair o ar, com cuidado. Atenção: Só abrir a panela depois de todo o ar sair.

E já está, pronto a ir para o prato e a ser servido!


Da Nossa Cozinha